Não tente abraçar o mundo de uma vez, ele é grande demais!

Uma das maiores causas de estresse nos dias de hoje é a necessidade que desenvolvemos de ser multitarefas, seja por exigência no trabalho, da sociedade, para ganhar tempo ou por pura ansiedade.

Muitas vezes nos deparamos com situações em que podemos estar extremamente sobrecarregados e ainda assim continuamos a acumular mais e mais demandas, até que em algum momento percebemos que aquilo é demais, e é aí que surtamos.

Eu costumo me denominar como uma pessoa com extremo senso de responsabilidade, o qual me leva a querer abraçar mais demandas do que consigo, e me faz surtar quando não consigo resolvê-las no tempo que estabeleço. Quando isso acontece eu me vejo em um profundo desespero, me sinto incapaz e totalmente impotente.

Porém quando volto a mim mesma consigo apenas pensar em uma frase que escuto com muita frequência do meu marido: “Para de tentar abraçar o mundo!”. Pode parecer algo improvável, mas muitas vezes é isso mesmo que faço, tento ir muito além do que eu posso e do que preciso realmente fazer, e isso traz sérias consequências para meu dia a dia. Eu fico extremamente estressada, triste, tenho crises de choro, momentos de explosão gratuita e vontade de desistir de tudo, mas não consigo.

Mas realmente não dá pra abraçar o mundo, NÃO É nossa obrigação. Aprendi que minha obrigação comigo mesma é buscar sempre o que me faz feliz, e me torturar dessa forma só traz sentimentos negativos que não valem a pena ser cultivados.

Por isso hoje quero lhe dizer que não tentemos abraçar o mundo, vamos apenas DAR UM PASSO DE CADA VEZ, assim podemos ir muito mais longe e ainda aproveitar a paisagem da vida.

Algumas questões podem ajudar ABRAÇADORES DE MUNDO ESTRESSADOS como eu, como ter mais organização, ter um momento de lazer, buscar fazer algo que realmente traga propósito para sua vida. Mas esses são assuntos que vamos abordar nos próximos posts, fiquem ligados aqui no nosso site e acompanhem nossas dicas.

E aí, você também é desses que abraçam o mundo e sofrem com isso? Compartilhe suas experiências nos nossos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *